segunda-feira, 2 de julho de 2012

Não tenho estofo para isto

Eu gostava de escrever aqui alguma coisa engraçada, mas o assunto que me traz cá hoje não é nada animador. Nesta parte do meu estágio no hospital, estou no ambulatório (atendimento ao público). Hoje foi lá uma senhora com um aspecto normalíssimo, 50 e tal anos, muito cabisbaixa. Não estranhei, porque as situações que levam os doentes àquele sítio não são as melhores. Pensei para mim que a senhora estaria com um cancro na mama e que daqui a uns tempos já estaria melhor e mais animada. Só que estava redondamente enganado. A receita médica mostrou-me o que eu não esperava: infectada com o VIH. É mesmo assim minha gente, isto não escolhe idade, raça ou credos. Nem aspectos. Já lá apanhei gente muito bem parecida, pessoas por quem eu passaria na rua normalmente, sem me aperceber de nada e pumbas: seropositivos. Portanto, o conselho que vos dou é para se protegerem sempre e para não se iludirem com o aspecto da pessoa, porque uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Mas falava eu da tal senhora... A história dela é bem triste e revoltante. Pois que a senhora não andou no mundo das drogas a partilhar seringas, nem andou aí feita promíscua a ter sexo com desconhecidos. A senhora apenas confiou no marido. Sim, esse grande traste que decidiu ir às "meninas" sem se proteger e que ficou infectado com o vírus e, consequentemente, infectou a mulher. Um grande estúpido que além de trair a mulher ainda lhe "ofereceu" uma doença para o resto da vida. Ora digam-me lá se esse senhor não merecia alguma espécie de tortura chinesa? Ou prisão perpétua? Fico revoltado com estas merdas. E detesto a sensação de impotência perante estas situações.

7 comentários:

Roxanne disse...

primeiro merecia perder o pénis que era para aprender... depois todas as torturas!

Pec disse...

Infelizmente, a vida é mais madrasta que os nossos preconceitos.

disse...

Que homem horrível, coitada da mulher!

Ca disse...

pesado :(

Marta K disse...

Eu sou apologista de haver realmente castigo para todos os maridos/mulheres/namorados(as) que conduzam outras pessoas a essa situação e a esse peso que dura uma vida inteira por mero desrespeito.

teardrop disse...

Infelizmente esses são os casos que mais têm aparecido recentemente, o que é mesmo revoltante! O teu texto demonstra bem o sentimento que também tenho em relação a esses homens...

Anónimo disse...

Sabias que, no início dos anos 90... quando o cidadão comum ainda estava a sair contrariado da idade das trevas relativamente à SIDA/HIV... a maior parte de autópsias realizadas a pessoas que morreram por terem SIDA eram de mulheres contaminadas pelos maridos, que haviam feito sexo desprotegido com prostitutas.
Dá que pensar não dá?
Também dá que pensar o nível de iliteracia das pessoas em geral... e de irrsponsabilidade já agora... relativamente à sua saúde e daqueles que lhes são próximos.
Joana