segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Óscares

Ganhou o Christian Bale, tal como eu queria. Bem merecido. Para mim se não fosse a Melissa Leo ganhava a Hailee Steinfelde que com os seus catorze anos esteve brilhante no Indomável. Valeu a pena ficar acordado durante a primeira parte só para assistir ao discurso da Melissa Leo que terá sido dos mais expontâneos de sempre. Desculpem-me, mas não acho que seja desrepeito pela Academia largar um foda-se no discurso. A mulher tinha acabado de ganhar um Óscar, nesse momento tinha direito a tudo. O Óscar para melhor actriz também não me desiludiu. Se não fosse agora que a Natalie Portman ganhasse, com que papel conseguiria? Já o Óscar para melhor actor não me aqueceu. Para mim teria sido o James Franco ou o Jeff Bridges, se bem que sou suspeito, visto que esse senhor é dos meus actores preferidos. E era escusado o melhor filme ser o Discurso do Rei. Tudo bem que a interpretação do Colin Firth está excelente e que a da Helena Bonham Carter não fica atrás, mas a história resume-se a um rei que era gago e por isso tinha dificuldades em falar para o seu povo. Boring. O Inception é muito melhor, tanto ao nível do argumento como do elenco, com Leonardo Dicaprio a destacar-se. Ainda estou à espera que me expliquem porque é que este senhor ainda não ganhou um Óscar, depois de filmes atrás de filmes sem desapontar. Por último, um destaque para a melhor banda sonora que foi atribuida à Rede Social. Totalmente de acordo. E pronto, para o ano há mais.

4 comentários:

Fi disse...

O óscar para o inception realmente ter-me-ia feito muito mais feliz... E já agora para o James Franco também...

Filipe Ribeiro disse...

E o Toy Story 3 também foi merecido!

Rafa disse...

Oh, obrigada, obrigada. Este ano a cerimónia foi ligeiramente, bem pronto, uma imensa seca. Os apresentadores estavam descoordenados: ele mosca-morta, ela extremamente excitadiça. Tanto talento que ambos têm que não se converteu em nada de jeito.
Eu criei um evento no Facebook com alguns amigos e acompanhámos tudo desde as 23h até às 4h30 quando acabou, sensivelmente.
Já se sabia que o Colin Firth ia ganhar, mas o que me manteve acordada foi a esperança que acalentei de o Bridges levar pelo segundo ano consecutivo a estatueta. Bolas, eu vi os filmes todos (menos o Toy Story 3, que vai marchar no fim-de-semana) e o True Grit ficou-me no coração. Não creio ser ousada ao afirmar que Rooster Cogburn foi o papel da vida do senhor Jeff Bridges. Até mais do que o "Dude".

Enfim, foi uma desilusão esta cerimónia. Valeu pelo Christian Bale, que foi mais do que merecido ainda que muitos críticos o acusem de exagero na construção da personagem (overacting my ass!), embora tivesse querido vê-lo a ganhar Óscar para o ano na categoria de melhor actor.

Bem, n me demoro mais. Um abraço.

Rosie disse...

Não posso concordar inteiramente contigo. Acho que o Discurso do rei é um bom filme, não melhor que o Inception, mas bom. Mas acho que o Colin Firth esteve muito muito bem, acho que foi merecido. Embora o Franco esteja fantástico no 127 horas (filme que vi ontem). O Leonardo Dicaprio nem sequer estar nomeado foi a grande injustiça! E o mais chocante de tudo isto foi o prémio para melhor realizador! Ainda não o percebi. Tenho que ver o Indomável! :) Falta na minha lista.
Já agora, bom blogue :)