terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Desabafo*

Fico espantado perante a minha capacidade de ainda ficar surpreendido com algumas pessoas. Depois de tanta merda, de tantas situações em que já me provaram que não vale a pena gastar o meu latim, de tantos abre-olhos que já tive, eu ainda não perdi a capacidade de acreditar nas pessoas por mais que me desiludam. Fico sempre com uma réstia de esperança que da próxima vez será melhor, agarro-me à máxima que as pessoas quando mudam normalmente é para melhor, mas esqueço-me que não há regra sem excepção. A sério, começo a acreditar que sou daquelas pessoas que tem uma esperança infinita no mundo e nas pessoas. Mas ao mesmo tempo não me revejo nada nesse cenário. Sempre soube separar muito bem o trigo do joio. Talvez o meu problema seja não conseguir aceitar facilmente que o trigo tenho passado a joio (medo, chega de trocadilhos). Ora a mim já me mostraram o que não é ter respeito nem consideração por quem o merece, já me deram valentes chapadas sem mão que me levaram a concluir que há por aí quem não se importa com os outros e que há gente que se rege pela máxima 'quero cá saber', já me ensinaram sem palavras que até as amizades duradouras podem ter um fim (e têm, acreditem). Mas mesmo depois de tudo isto eu continuo com esperança. Ou melhor, continuava. Porque tudo tem um limite e desconfio que atingi o meu. Esta onda de crença na raça humana, mais especificamente na relações interpessoais, e a fé na inquebrabilidade das mesmas deve estar a chegar ao fim. Afinal não baixou em mim o novo Ratzinger que vem restabelecer a paz no mundo nem encarnei o espírito da Calcutá. Se bem que por momentos desconfiei que era isso que me estava a acontecer, mas foi por pouco tempo. Bastou-me esperar pela machadada final para voltar ao mundo real. "Acorda Johnny, bem-vindo de volta à Terra, é só para te lembrar que aqui há pessoas más, há malta que se está a cagar para ti, mas nem tudo é mau, não desmoreças. O truque é separar o trigo do joio (outra vez com estas associações? Onde é que eu já ouvi isto?) Não é assim tão difícil. Só tens que estar atento e não ser estúpido. Acho que não precisas de saber mais nada... Errr.. Secalhar até precisas: nem toda a gente se dá ao respeito e, portanto, não percas tempo a respeitar essa malta e a importares-te com a escumalha. Mete também de uma vez por todas nessa cabeça que para dançar o tango são preciso duas pessoas. Se estiveres sozinho, por mais que te mexas, não chegas a dançar o tango. E aplica isso às amizades, sem tirar nem pôr. Ah... só uma nota final: o teu tempo aqui é finito, e por isso gasta-o com quem realmente merece, com quem não te traz chatices e dedica-te apenas a tudo o que te faz feliz. Por agora é tudo."

* Ou como usar a expressão separar o trigo do joio num texto

3 comentários:

ana disse...

Adorei, mesmo (: Vou seguir!

Anónimo disse...

Querido Johnny,

És menino para não acreditar nada nisto cheira-me) mas virgem que é virgem não anda numa boa fase, então em relações pfffff! Well, queria só deixar uma msg de apoio e de partilha, de quem está no mesmo barco!
E sim, virgem que é virgem tem a verdadeira esperança infinita nas pessoas e no Mundo, somos uns burrinhos portanto...o que contrasta bem com a nossa inteligência e perspicácia. Que fazer? Estar mais atento? Ser pior pessoa? Mais tarde ou mais cedo, voltamos ao mesmo...somos uns ingénuos, crentes, sensíveis, honestos...e é o que é! Sim, sim, também devemos aprender com os erros...cof cof!

Diana

Isis disse...

Caramba! Revejo-me no que escreveste...Ás vezes penso "ca estúpida miuda, acorda para a Vida". Fica bem :)