domingo, 25 de julho de 2010

O fenómeno da Marina de Vilamoura

Nesta altura do ano ir à Marina de Vilamoura é mais ou menos o mesmo que ir a Fátima no 13 de Maio. Com a diferença que a 13 de Maio as pessoas têm um motivo para ir a Fátima - comemoram o aparecimento da Nossa Senhora de Fátima. Em Vilamoura não. Vai-se lá andar a pé, porque é muito giro, porque toda a gente vai, porque é um ritual de férias que não pode ser quebrado (ir lá menos de três vezes por semana é sinónimo de que as férias não estão a render e que as noites não são nada de especial). Vai-se lá, mas quase ninguém sabe bem porquê, o que não é o meu caso. Eu tenho um bom, diria mesmo excelente, motivo para ir até lá: a geladaria Veneza que tem só os melhores gelados com todos os sabores que se possa imaginar. Sim, sou louco. Sujeito-me a andar 200 metros em 5 minutos, a dar encontrões a toda a hora, a ser pisado constantemente, mas aqueles gelados valem a pena o sacrifício. É isso e ver o aparato constante da loja ao pé da geladaria: a loja CR7. Estive a observar 5 minutos e constatei que 98% das pessoas que entram nas loja são portugueses e vão só para desarrumar, para ver como é. Os restantes 2% que entram são estrangeiros e, esses sim, compram qualquer coisa. Os outros que não são tão curiosos ao ponto de bisbilhutarem e desarrumarem a loja inteira limitam-se a ver as montras e a tirar fotos aos posters do CR que estão na entrada, porque, verdade seja dita, imagens dele na internet é coisa que não abunda e então há que aproveitar para fotograr o rapaz. Mas o ponto mais alto de hoje foi mesmo ver a Ronalda que estacionou a cerca de dois milímetros de mim em frente à loja. Ainda estou para perceber como não me arrancou três dedos em cada pé. Gostava de perceber isso e de perceber como é que alguém usa alguma peça de roupa daquela loja. Mas já estou como diz o outro: ele há gostos (e malucos) para tudo!

2 comentários:

Ritchie disse...

de facto é verdade... e é melhor não se contrariar ou comentar certas coisas

Moura Aveirense disse...

Vou para o Algarve desde sempre, e não suporto aquela "procissão" na marina de vilamoura só para se ser visto(a)...