segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Os superpoderes acabam na varanda

Quando tinha 4 anos, morava eu num 1º andar, achei que seria engraçado sentar-me no parapeito da cozinha. A mãe da minha vizinha, que era mais nova que eu, sentava-a todos os dias lá (mas sempre a segurá-la, que a senhora era só louca qb) e eu achava uma injustiça não ter direito a esse privilégio. Vai daí, aproveitei a altura em que a minha mãe estava a tomar banho e o meu pai refastelado na sala, peguei na minha mini cadeira e fiz-me ao parapeito. Felizmente tudo correu pelo melhor, porque o meu pai entrou na cozinha no momento em que eu estava a alçar a perna, qual alpinista de parapeitos. O episódio ficou-me marcado na memória para todo o sempre, não só pela frustração de não ter conseguido cumprir o meu objectivo, mas também porque levei um valente açoite. Que me lembre foi a única vez que me armei em super-herói. E ainda bem. É que os superpoderes acabam na varanda.


Campanha relançada pela APSI (Associação para a Promoção da Segurança Infantil)

1 comentário:

Noa disse...

Cada vez se ouvem mais dessas histórias... E muitas delas, infelizmente, com finais tristes.