terça-feira, 27 de novembro de 2012

Que continue a haver esperança e oportunidades

Há quatro meses eu não passava de um mero estudante universitário igual a tantos outros. Tinha pela frente um trabalho deverás animador (e desesperante): a elaboração da monografia de final de curso. No currículo, fraquíssimo por sinal, não havia nada de especial. Dois estágios, um em farmácia de rua, outro em farmácia hospitalar, o first certificated, um curso de socorrismo e a presença em alguns congressos, se é que isso conta para impressionar alguém (duvido). Com a perspectiva actual do mercado de trabalho tão animadora e com um tempo bastante limitado para começar e terminar  a monografia, fiquei por casa a trabalhar - não haviam grandes (nem pequenas) alternativas. Interessei-me pelo tema, fui lendo e escrevendo sobre o assunto. Tentei fazer um bom trabalho, não fosse eu perfeccionista e control freak, e a coisa foi-se compondo. Submeti o trabalho à orientadora, foi aprovado. Uns retoques depois estava entregue. E agora aqui estou à espera da defesa para que esta temporada toda acabe, que ninguém merece estar tantos meses a adiar a vidinha. Entretanto mantive-me sempre a par das propostas de trabalho na área. Nenhuma me interessava, nada me fazia ficar entusiasmado e eu só pensava que não queria acomodar a minha vida atrás de um balcão de farmácia. O meu objectivo sempre foi a indústria farmacêutica. Por isso já tinha seleccionado os contactos para me fazer à longa maratona de obter uma vaga na tão-difícil-de-entrar indústria em Portugal. Também já andava a sondar propostas internacionais e, possivelmente, São Paulo seria o meu alvo (olá Roche brasileira). Há duas semanas recebi um mail que acelerou todo o processo e que me deixou com um sorriso na cara. Era a minha orientadora a convidar-me para um estágio na indústria. Já me reuni na empresa, fiquei contente pela oportunidade e pareceu-me ter causado boa impressão. Infelizmente a situação só não é perfeita porque a minha condição será a de não remunerado. Mas pronto, como isto anda hoje uma pessoa já festeja só por ter a oportunidade de contactar com o mercado de trabalho. Enfim, esta conversa toda para dizer que o esforço compensa sempre. Eu pelo menos quero acreditar que sim. A minha orientadora viu em mim alguém com boas capacidades de trabalho e decidiu apostar. Gostava que houvesse uma oportunidade como esta para todos aqueles que realmente desejam um lugar, que apenas querem uma rampa de lançamento para se poderem mostrar e convencer os outros de que valem a pena o investimento. Eu sei que a minha história não ajuda muito, mas pode ser que devolva a esperança a quem anda descrente. Pensamento positivo e bola para a frente. Foi a minha atitude nos últimos quatros meses. A pior coisa a fazer é perder o ânimo.

10 comentários:

Marta FG disse...

Como se diz: "a esperança é a última a morrer"! Por isso vai em frente e depois logo se vê. Não sei que idade tens mas aposto que és jovem e tens toda a vida à tua frente. Adiante...

Johnny disse...

Marta FG, 23 anos praticamente acabados de fazer. Sou um jovem ainda ;)

teardrop disse...

Johnny,
Neste momento é uma das únicas maneiras de entrar na indústria... Foi a minha opção de carreira há uns anos atrás (quando ainda não estávamos neste sufoco) e foi o melhor que fiz! Acredita sempre. Esse estágio vai valer-te muitos pontos no CV para quando te voltares a candidatar!
Se precisares de alguma coisa, diz!
Beijinhos

Moça dos Padrões disse...

Fico contente por ti colega! Também gostaria de encontrar uma brecha para tentar entrar na tão famosa e intocável indústria farmacêutica portuguesa, nem que fosse para ver inicialmente, 0€ ao fim do mês. Pelo menos já tinha passado o pior.

Boa sorte!

L. disse...

A minha melhor amiga é dessa área. Acabou há 1 ano, se nao me engano. Feliz-me conseguiu estágio (remunerado) no Porto e agora andava a procura de uma coisa melhor. Veio cá a Lisboa a umas entrevistas e soube na semana passada que vinha para cá. E vai ganhar mais :)

Moça dos Padrões disse...

E é nestes momentos em que me sinto sozinha no mundo, que não recebe uma única resposta aos anúncios a que me candidato e vejo e sei de colegas que conseguem emprego em sítios que não me chegam à vista. É triste querer ser farmacêutica e não conseguir.

Johnny disse...

Moça dos Padrões, como disse, quero acreditar que existe oportunidade para todos aqueles que querem muito trabalhar. Espero que tenhas sorte num futuro próximo :)

Moça dos Padrões disse...

Obrigado Johnny e que te corra tudo pelo melhor ;)

verniz escarlate disse...

Boa sorte nesta nova fase! Bj

Karina sem acento disse...

Parabéns! Apesar de ser não remunerado (não consigo entender este conceito, uma pessoa trabalha e não é paga, mas pronto), é sempre uma forma de entrar no mercado de trabalho.