terça-feira, 5 de junho de 2012

O meu estágio no hospital está a ser tão bom e tão produtivo que em metade do tempo que lá passo sinto-me invisível. Hoje lá cheguei eu, pontual como sempre, para ficar à espera das doutoras que chegam quando lhes dá mais jeito. Quando finalmente chegou a minha orientadora pensei que ia deixar de olhar para as paredes, tarefa que cumpro regularmente. Mas estava tão enganado. Mal me viu brindou-me logo com o aviso: "olha vais ter que ficar aí a estudar, que hoje de manhã eu não vou poder ir aí". Esta história toda, só para vos pedir que acrescentem frases às que eu já pensei como possível resposta para uma próxima vez:

- Estudar? Então não foi isso que andei a fazer durante nove semestres? Disseram-me que este era prático.

- Tudo bem, olhe apague-me a luz para eu dormir, que estou mesmo a precisar. Acorde-me para irmos almoçar, 'tá?

- Eu já sei tudo, não há nada que tenha para estudar. ENSINE-ME É APLICAR OS MEUS CONHECIMENTOS NA PRÁTICA, PORQUE É PARA ISSO QUE EU ESTOU CÁ.

- Não há problema nenhum, eu fico aqui a estudar. Mas fica já combinado que amanhã venho só à hora de almoço, porque para ficar aqui sem fazer nada, fico melhor por casa.

- Ah não esteja preocupada. Aproveito e em vez de estudar vou só ali à praia. Por acaso não tem protector solar que me empreste?

- Talvez seja melhor eu ir embora, NÃO É?

- Não se preocupe. Amanhã sou eu que não vou ficar aqui de manhã. Já tenho uns cafés combinados até às 11h e depois disso vou dar uma voltinha pelo hospital.

- Está bem querida. É para isto que eu cá estou. Para chegar aqui às 9h da manhã e NÃO ME LIGAREM NADA (possivelmente seguido de um 'puta que pariu!' para dar mais drama à cena).

3 comentários:

A Meu Gosto disse...

E para casa, posso ir?

Roxanne disse...

bem vindo ao mundo os estágios supostamente práticos... hoje estive toda a manhã numa cadeira a olhar a parede, numa cadeira daquelas que rodam...

patriciaruivo disse...

esse estágio está a tornar-se num caso grave.