domingo, 31 de julho de 2011

Notas soltas

Já há muito tempo que não passava uma semana sem internet.
Foi assim o início da minha temporada no Algarve.
Uma semana de praia e jantaradas.
Não quero jurar a pés juntos, mas desconfio que vi o stress e o cansaço a evaporarem-se enquanto me esticava na toalha.
Finalmente ganhei cor.
Verifiquei que tenho intolerância zero para faltas de educação e falsidade.
Andei um pouco alienado em relação ao mundo em geral.
Ainda assim lamentei a morte da Amy Winehouse. Uma grande perda na música.
O Correio da Manhã ainda me permitiu constatar  que este mundo anda louco, e que grande parte dessa loucura está na Noruega e em Proença-a-Nova, com as touradas de carros.
Tenho para mim que o Benfica já não compra jogadores para formar equipa. Acho que andam a coleccionar cromos para pôr numa caderneta real.
Tenho tido tempo para lamentar a minha incapacidade de dormir na praia. Se alguém souber de alguma fórmula que me ajude a passar pelas brasas é favor chegar-se à frente.
Eu sei que só na segunda-feira é que começa o mês do emigrante, mas já sinto falta dos Jean Pierres e das Stephanies Tatianas na praia. Valha-me a família do toldo de trás que tirou as férias para revisitar e saborear a gastronomia portuguesa, com provas de vinho branco todos os dias, sempre acompanhadas com um queijinho da serra.
A voz não dura para sempre, que o diga o José Cid. E o tino também não. Dizer, em pleno concerto, a uma senhora “depois de uma dieta a gente conversa” é prova disso.
O país está em crise. E os restaurantes cheios. E a marina de Vilamoura virou o Sambódromo, com tanta gente a desfilar.
Nunca adormeço antes das 2.30h.
Vou acabar de ler um livro.
Parecendo que não, isto é que vida.

2 comentários:

Fi disse...

O Benfica? Vamos falar disso? Uma tristeza.

Roxanne disse...

boas férias :D