sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Questões e ponderações que pairam por esta cabeça

Terá sido feita justiça?

Sendo um crime tão horrendo, repugnante e inaceitável, cinco, seis ou sete anos (ou dezoito) não será pouco tempo para um pedófilo apodrecer na prisão e pensar na porcaria que fez?

A justiça em Portugal funciona mesmo?

E se estão inocentes?

As alegadas vítimas apresentaram-se bastante emocionadas. Não vi um único condenado chorar (eu cá se apanhasse sete anos de prisão iria parecer uma madalena arrependida). Já estariam à espera ou serão mesmo insensíveis ao tema?

A partir de hoje vai-se dar muito mais atenção a uma criança que se queixe de abusos. E ainda bem!

2 comentários:

Ritchie disse...

foi um processo muito complicado que chegou ao fim mais rápido do que julguei. pensei que os prazos para sentenças efectivas fossem sendo, sistemáticamente, protelados... felizmentre não foram

C.Cruz disse...

Na minha opinião (que não passa disso, uma opinião) se ouve condenações, essas foram baseadas em provas. Logo os condenados não estão inocentes. São mesmo culpados. Eu não acredito que uma juíza fosse julgar alguém só porque sim, ou mesmo para limpar a imagem da justiça portuguesa.
Quanto às penas acho que foram muito leves, mesmo. Porque agora todos vão recorrer da sentença e se calhar isto é coisa para andar aqui enrolada mais uns anos e quem sabe acaba mesmo por prescrever. O que me leva a crer que stas penas são mesmo virtuais. Infelizmente é a justiça que temos.