terça-feira, 21 de setembro de 2010

Durante esta semana na faculdade realiza-se a recepção ao caloiro. Ou para encurtar mais a expressão, durante esta semana lá na faculdade há praxe. E eu gosto. Muito até. Gosto de receber os caloiros, de lhes incutir o espírito de união, de partilha, de ajuda. Gosto de lhes transmitir o meu espírito, tudo o que aprendi. Mostrar-lhes e ajudá-los a perceber o que significa tudo aquilo. Gosto de o fazer, porque foi-me útil no meu ano de caloiro. Conheci muitas pessoas à conta disso e a integração acabou por ficar muito mais facilitada. Mas só gosto disso quando as coisas são bem feitas. A mim sempre me ensinaram que o limite da praxe é o bom senso e eu lamento quando vejo isso ser ultrapassado. Porque a praxe tem que ser entendida como uma tirania, como algo que ajuda à integração dos novos alunos na faculdade. E não tem que ser um evento para se descarregarem frustrações. Um caloiro não é um saco de pancada, não é um mero objecto com quem se possa gritar e mandar vir só porque se está irritado e de mal com a vida. Para isso é preferível ficar quieto. Ou então dar murros ou cabeçadas na parede.

5 comentários:

Roxanne disse...

na minha faculdade tb estamos nessa semana... e irrita-me ver que as pessoas usam os caloiros para despejar frustrações.

Anónimo disse...

Incutir é com "i"... Mas deixa lá.. Eu não me "emporto"... ahahah

Ana disse...

Concordo plenamente contigo. Há muita gente que abusa, e muito.
Beijinho :)

MK disse...

Também estou para fazer um post em relação às praxes mas só mesmo quando acabarem (também é já hoje).
Sim, a verdade é que muitas pessoas não têm bom senso. E tanto falo dos que já andam nestas andanças há mais tempo como os próprios "novatos" que foram praxados apenas há coisa de um ano.
Eu, que também sou "novata", tenho um limite. Penso sempre na hipótese "e se me tivessem dito para fazer isto.. será que eu faria?". Porque é verdade, as praxes não são para descarregar frustações, são essencialmente para conhecer o pessoal, para haver uma adaptação mais rápida. Só tenho pena que muitas pessoas ainda não tenham percebido isso e ajam estupidamente durante esta semana.

Anónimo disse...

Só praxa quem quer e só é praxado quem deixa. Ser pimba não paga imposto...por enquanto.