sexta-feira, 25 de junho de 2010

Há amizades e amizades

Vivi muitos anos a achar que muitas coisas nunca mudariam. Durante muito tempo habituei-me a ver as coisas acontecerem da mesma maneira, sempre pelo mesmo motivo, porque era assim que estava estipulado que fosse e porque nem fazia sentido ser de outra maneira. Mas, à medida que cresci percebi que as coisas não são assim. E um exemplo disso são as amizades. Ao olhar para trás vejo que já conheci muita gente, que fomos grandes amigos, que já partilhámos muita coisa, mas vejo também que tudo isso ficou no passado. Já entendi que nem todas as amizades são eternas. E percebo que não possam ser. Não posso ser amigo de todas as pessoas que vou conhecendo. Sou selectivo. Aliás, todos somos. Mas há amizades e amizades. Existem aquelas pessoas que até gostamos, que nos identificamos, mas que por motivos alheios se afastam, ou nós nos afastamos, e vivemos tranquilos com isso. Outras amizades já não são bem assim. Tenho amigos que quero sempre por perto, que considero família. E esses são os verdadeiros amigos. Os que nunca podem ir embora. Os que ficam para a vida. É verdade que há amizades e amizades. E eu estou satisfeito com as minhas.

2 comentários:

J.Portela disse...

Amizades mudam, o mundo é um ciclo e o ser humano uma metamorfose... As coisas não cont. no msm lugar, nem msm o modo de agir e pensar das pessoas... "E ai aquele seu amigo que te chamava pra tomar um café na livraria... entrou no mundo 'light' e eleva a cerveja ao cubo ( sex. sab. e dom.), mas a tua 'caretisse' não te permite acompanhar o novo ritmo de teu amigo, logo ele deixará de ter as prioridades, até ser rapidamente substituído". Sorte, o ser humano é adaptável.

MK disse...

Sim é verdade. Nos últimos tempos, de uma maneira ou de outra, mais dificil ou menos, lá aprendi que realmente há amizades e amizades. E... a verdade é que por muito que digamos que não também todos temos vários tipos de amizade à nossa volta. A amizade de "conveniência", a amizade "eterna", aquela que realmente nunca muda e de quem se pode estar separado por indefinido tempo sem que torne "awkard" quando se junta e as conversas simplesmente fluem da mesma maneira. Depois há as amizades "disco riscado" porque existem zangas, resolvem-se as coisas e vira o disco e toca o mesmo. E outras tantas que podem tornar-se mais dificeis de caracterizar.
Era bom que as amizades não fossem assim tão diferentes. Que apenas existisse um tipo. Ao mesmo tempo, são elas que nos permitem crescer e conhecer-nos a nós mesmos. Todas elas. E o melhor nas eternas, as mais importantes? É que nos fazem continuar a crescer. Sempre! :)